Monday, February 13, 2012

Ainda sobre o Curral do Absedo

Referência ao curral do Abessedo (Absedo) no documento

Aproveitando uma ida a Pincães (Cabril, Montalegre) enriqueci a minha biblioteca com mais um livro sobre a Serra do Gerês. O livro Aldeia de Pincães é uma monografia da aldeia, da autoria de António Fernando Machado Ribeiro Guimarães  e publicada com o apoio da Associação Dinamizadora dos Interesses dos Compartes de Pincães - ADICP. No prefácio é dito que o livro está escrito com o coração e de facto o autor  assumiu a sua ligação afectiva com a aldeia sem medo de perder  objectividade. Para já fiquei-me por uma leitura rápida e pouco aprofundada ao livro. Apenas a suficiente para referenciar alguma da informação tratada e tenciono voltar a ele com mais tempo pois encontrei diversas pistas que tenciono explorar no futuro.

No livro encontrei também um documento, a que chamarei "O regime de pastagens das vezeiras da Serra do Gerês segundo os usos e costumes antigos"  que partilho parcialmente aqui. Já tinha lido referências a este documento no blogue Cabra do Gerês e essa foi uma das razões pelas quais procurei este livro. O documento pode esclarecer que vezeira que utilizava o Curral do Absedo (Abessedo ou Abecêdo) e com isso resolver a questão do nome. O documento poderá ainda ajudar a perceber os usos e costumes das vezeiras do Gerês Oriental nele citadas e esta é umas das pistas futuras que tenciono explorar.

O Curral do Absedo, na grafia de Tude de Sousa, que já tratei neste blogue aqui,  desperta a curiosidade de muitos dos apaixonados pela serra por diversos motivos. Para não repetir o Rui Barbosa, aconselho a leitura do que blogue Carris escreveu obre este curral. Situado numa das zonas mais inacessíveis da serra, encaixado numa pequena chã a uma cota de aproximadamente 1290 metros, qualquer que seja o trilho escolhido para visitar este curral obriga primeiro a subir  aos 1400 metros. Um esforço que não deve ser menosprezado pelos que conhecem menos bem a zona, exigente para os dias curtos de Inverno ou de temperaturas elevadas, sem água, nos dias de Verão.

De acordo com este documento, o curral do Absedo seria utilizado pela vezeira dos bois de Pincães (Pincães, S. Ane, S. Lourenço, Chelo, Fontainho, Vila Boa e Cavalos) . Informação que esclarece a expressão de "monte dos bois" que ouvi  em Agosto último a uns pastores nas Lagoas do Marinho. Iam esses pastores em busca de umas vacas que por lá andavam e que deveriam ser as que eu encontrei mais tarde, já no final do Verão, na última vez que passei pelo Absedo.

Naturalmente que esta informação não esclarece definitivamente o seu nome e a utilização deste curral por esta vezeira pode ser posterior ao abandono do curral pelas gentes de Vilarinho. Há ainda a hipótese de se tratar de um curral utilizado por mais do que uma vezeira e ter diferente designação para as gentes de Vilarinho e para as gentes de Pincães.  Seja como for todas as fontes documentais parecem indicar que o curral se chama Absedo, Abessedo ou Abecêdo.
pormenor do documento "O regime de pastagens das vezeiras
da Serra do Gerês segundo os usos e costumes antigo"

6 comments:

Orion said...

Olá Louro
As possibilidades do uso do abessedo pelas gentes de Vilarinho é uma possibilidade, mas o prado mais próximo de vilarinho seria o da Messe, Vilarinho tinha mais prados na Serra Amarela. Claro que poderia existir um antigo caminho de acesso a partir do estradão dos carris que neste momento se encontra debaixo da vegetação. A gente de Pincães ainda utiliza esse curral e outros relativamente próximos, Arrocela, Cidadelhe, etc. Quem te poderá esclarecer a história desse curral é o vice-presidente do Conselho directivo do Baldio de Pincães, Sr. Domingos Martins Gonçalves.
Abraços

joca said...

Olá Orion,
Não tenho dúvidas que no Baldio de Pincães conseguirei informação interessante e não tenho qualquer dúvida sobre a utilização do curral pela vezeira de Pincães. A pista de Vilarinho foi avançada por José Carlos Pires e não tenho outra informação que a confirme. Os currais de Vilarinho não estão tão longe quanto isso apesar de não. Os Prados Caveiros seriam de Vilarinho, os Prados da Messe não tenho a certeza. Até em Miguel Torga podes encontrar provas de que não era apenas na Serra Amarela (http://asnotasparaomeudiario.blogspot.com/2007/02/o-outro-relato.html). O José Carlos Pires refere de facto a existência de um acesso a Absedo a partir do vale do Homem.

Orion said...

Olá Louro

O José Carlos Pires sabe onde ficaria esse acesso ao abessedo?
Seria interessante descobrir esse antigo trilho,talvez seguindo o ribeiro de cagarouço? De qq modo deve estar coberto de vegetação que neste momento deve estar intransitável.

Abraços

joca said...

Olá Orion, seria de facto interessante confirmar a existência desse trilho ainda que, se ele existiu, não me pareça que deva ser reaberto. Já chega o que domingueiros fazem nos Carris. Há muita gente que não respeita a serra.

Orion said...

Concordo plenamente.

Rui C. Barbosa said...

No vale do Homem são visíveis dois vestígios interessantes em dois locais distintos. O primeiro encontra-se logo a seguir à Água da Pala onde são visíveis mariolas que sobem a encosta para o lado direito do vale (quem sobe).

Quando estive no Absedo, abeirei-me da profunda Corga do Cagarouço e de lá podem ser vistas mariolas que aparentemente descem a corga, levando depois para o Vale do Homem.

Em qualquer dos casos há muita vegetação e no segundo a descida é muito perigosa.